Cobalto de alta pureza é encontrado em Canaã

CANAÃ DOS CARAJÁS

O Estado do Pará mais uma vez surpreende o mundo com suas riquezas minerais com a notícia divulgada no ultimo dia 4 de junho, informando que a mineradora inglesa Horizonte Minerals encontrou sulfato de níquel e cobalto de alta pureza, após comprovação das amostras minerais, retiradas de uma grande extensão do Projeto Niquel Vermelho que fica há 15 quilômetros da mina de cobre Sossego da Mineradora Vale, em Canaã dos Carajás.

Descoberta mineral colocará o Pará no mapa internacional do cobalto

A produção deste minério tem se tornado cada vez mais importante para a produção das baterias EV de íon-lítio, muito utilizadas em aparelhos eletrônicos portáteis e na nova geração de carros elétricos e híbridos. A descoberta colocaria o Estado do Pará em um seleto e raro grupo de regiões onde se pode encontrar esse caríssimo metal.

O Bolg Voz do Pará foi buscar informações sobre essa descoberta com o renomado Prof. Marcelo Ribeiro Tunes, Diretor de Assuntos Minerários do Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM), que nos respondeu por e-mail que matéria-prima recentemente descoberta no município de Canaã dos Carajás é extraordinária para a economia e para o futuro da tecnologia no Pará e para o Brasil.

O diretor do IBRAM afirma que o cobalto é fundamental para a produção de baterias de longa duração, cada vez mais em alta, na tecnologia aplicada a produtos portáteis e no mercado de veículos movidos a energia estocada em dispositivo a bateria.

“O metal, que até pouco tempo era considerado rejeito da mineração de níquel, está cada vez mais em evidência no mundo tecnológico americano, japonês, alemão, chinês e sul-coreano”, alerta.

Dados do CRU Group, entidade internacional de inteligência comercial de propriedade privada que analisa os mercados globais de mineração, metais e fertilizantes, apontam que a previsão do crescimento do consumo do cobalto no mundo está entre 8% e 10% por ano e que existem em todo o planeta aproximadamente 300 mineradoras produzindo cobalto.

Países como a Alemanha são os grandes consumidores, já que têm metas de tirar de circulação os veículos à combustão até 2030. O Brasil passaria a integrar o seleto grupo de países produtores deste metal e a fortalecer a sua economia com os vultosos lucros gerados pela mineração do cobalto.

Marcelo Ribeiro, explica que várias plantas têm sido modificadas para produzirem o metal e essa descoberta no Pará implicará em novos investimentos no estado. “Um dos entraves para o aumento da produção brasileira é o alto custo da energia. No entanto, a partir da cotação de US$ 18 mil por tonelada de níquel, a produção se torna, absolutamente, viável”, explica.

A Horizonte Minerals comemora a descoberta

O CEO da mineradora Horizonte Minerals, Jeremy Matin, comemora a descoberta.

O CEO da mineradora Horizonte Minerals, Jeremy Matin, comemora a descoberta e afirma que os testes iniciais mostram altas taxas de extração de níquel e cobalto obtidas em amostras. Segundo Martin, os estudos confirmam a adequação para produzir ferroníquel de alto teor, que também poderá ser tratado na planta do projeto Araguaialocalizando no município de Conceição do Araguaia ou uma nova unidade independente que pode ser criada na região. Testes de fundição em lote estão sendo realizados em amostras de material de transição em laboratório da empresa no Canadá.

Ainda de acordo com o CEO, a Horizonte está avançando no projeto Niquel Vermelho. “A Horizonte está avançando em seu recém-adquirido projeto Vermelho, um depósito escalável de níquel de alta qualidade que tem o potencial de fornecer matéria-prima para o setor de baterias. Duas linhas paralelas de testes estão em andamento”, relatou Jeremy Martin. “Este é um momento empolgante para a Horizonte, já que a companhia pretende divulgar seus resultados do Estudo de Viabilidade para o [projeto] Araguaia em breve e, paralelamente, avançar seu segundo ativo, o Vermelho. A Horizonte está firmemente em seu caminho para se tornar uma empresa de desenvolvimento de níquel com vários ativos”, finaliza Martin.

(Fonte: A Voz do Pará)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *