Tesoureiro afastado do Sispumcac bota a boca no trombone e revela: “A presidente gastava até R$ 800,00 de combustível em seu carro”


Ex-dono dos cofres do poderoso Sindicato dos Servidores de Canaã revela alguns podres da entidade e avisa: “Fui ameaçado e afastado pelo fato de querer zelar pelo bem de todos os servidores”





Vladimir Ivanovitch, tesoureiro afastado do Sindicato dos Servidores Públicos de Canaã dos Carajás (Sispumcac), enviou uma nota pública à comunidade na manhã desta terça-feira (15). Segundo ele, a nota-bomba serviria para esclarecer alguns pontos relacionados ao seu afastamento da tesouraria da entidade.

De acordo com a nota, Vladimir foi afastado por questionar o comportamento financeiro da mandachuva do sindicato, Sheury Campos Barros, ex-vice-presidente que assumiu o controle da organização após a renúncia de Raymisson, presidente eleito pelos servidores.

Segundo ele, mesmo quando era vice-presidente Sheury já mostrava grande interesse em movimentar as contas do sindicato, chegando a pedir do presidente uma procuração para movimentar o dinheiro dos filiados. Tempos depois, já dirigindo a entidade, os desentendimentos começaram a acontecer, conforme trecho da nota enviada:

Houve muitas divergências entre mim e ela. Para começar não concordava da maneira que ela vinha fazendo as suas despesas, exemplo: Gastos com combustível que os valores chegavam até R$ 800,00 reais por mês em seu carro; despesas com manutenção com sua moto de uso particular com valor que chega até R$ 434,00 reais e outras mais.

A nota destaca ainda a vontade da presidente em pagar mais que um salário mínimo à secretária da entidade, sua esposa.

Na época também a presidente Sheury me informou que estava pensando em pagar a secretária do sindicato um salário entre R$ 1.000,00 à 1.200,00 reais por mês, detalhe que a secretária é companheira da atual presidente. Na ocasião informei que o sindicato não teria renda suficiente para arcar com mais uma despesa com grande valor, pois é obrigação minha zelar pelo patrimônio financeiro do sindicato. Por esses motivos a presidente começou me excluir do grupo da diretoria do sindicato, assim como os demais membros da diretoria, alegando que eu estava atrapalhando o desenvolvimento do trabalho da entidade

Segundo Vladimir, os atritos continuaram. A secretária do sindicato teria feito o contato com o tesoureiro e solicitado a entrega dos livros-caixa, junto com as notas de despesa e os blocos de cheques. Além disso, a secretária, esposa de Sheury, teria pedido também que o profissional assinasse a sua renúncia.

Informei que não iria entregar os documentos e nem assinar a renúncia. Pelo fato da senhora Sheury não prestar contas de alguns cheques de despesas que a mesma fez e de vários cheques que a mesma sacou em seu nome com os seguintes valores: R$ *400,00; *300,00; *1.600,00; *4.000,00* e *4.000,00*.
Pelo fato da mesma se recusar entregar as notas de despesas acima citadas, não pode manter um acordo com a mesma.  

Vladimir finaliza a nota lembrando que membros do Conselho Fiscal e também a secretária do sindicato foram até a sua residência, no dia 03 de maio, para pedir a assinatura da renúncia. De acordo com a nota, o tesoureiro se recusou a atender o pedido e foi ameaçado.

                Aos filiados deste sindicato venho informar respeitosamente que não cometi nenhuma irregularidade e só fui afastado pelo fato de querer zelar pelo bem de cada um que é descontado todo mês do seu salário suado.

Procurada, a presidente Sheury desmentiu o ex-tesoureiro e afirmou que já fez um Boletim de Ocorrência por calúnia e difamação contra o ex-colega .

As graves suspeitas levantadas pelo tesoureiro afastado trazem, inevitavelmente, uma série de questionamentos.



Um comentário:

  1. Tem que elege outra chapa e tirar essa ladra e a patotinha dela do sispumcac, sou servidora,e eu
    acredito que o tesoureiro esteja falando a verdade!
    Ele não iria abrir a boca sem ter provas, me parece ser um homem sério.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.