Leishmaniose avança em Parauapebas e mata criança de dois anos

Criança de dois anos morre em hospital de            Parauapebas por decorrência a              complicações leishmaniose visceral.



A manhã desta quarta-feira, 16 de maio foi de dor e revolta para os familiares e amigos da menor E.A.L. de S., de apenas dois anos de idade, que veio a óbito, no Hospital Geral de Parauapebas, (HGP) por complicações decorrentes da leishmaniose visceral.
A criança morava no bairro Vila Nova, região periférica da cidade e foi enterrada hoje na cidade de Tucumã.


De acordo com denúncias que chegaram até a redação do blog, a demora no diagnóstico correto da doença, pela falta da realização de exames e testes específicos, foi um dos responsáveis por esse óbito, pois quando detectada precocemente, as chances de cura aumentam.

Informações dão conta, de que o teste rápido para diagnosticar a doença não foi realizado pela Vigilância Sanitária do município, e a criança precisou fazê-lo em um laboratório particular, devido à demora de sua solicitação por parte dos médicos.
Nas redes sociais a notícia é de que outras oito crianças com leishmaniose visceral foram transferidas para hospital em Marabá e Belém.

Os casos da doença, tanto em humanos quanto em animais, aumentam a passos largos e o poder público pouco faz para combater o mosquito transmissor.
A falta de saneamento básico, de limpeza dos quintais, do armazenamento correto do lixo, de campanhas de prevenção e conscientização, de um centro de controle de zoonoses ajudam a agravar a situação.

Em Canaã dos Carajás muitos casos em animais também estão sendo diagnosticados, mas a prefeitura municipal de Canaã dos Carajás firmou uma parceria com a Ong Anjos de Patas, e está fornecendo testes rápidos para serem realizados em animais, situação que não vemos ocorrer no município vizinho de Parauapebas.

Outros municípios como Marabá, Curionópolis, Eldorado dos Carajás e Redenção estão vivendo a mesma situação do avanço desta doença. Enquanto não houver uma ação conjunta e eficaz, assim como houve no Mato Grosso e em Florianópolis, onde as medidas preventivas não se restringiam apenas em eutanasiar animais doentes, mas investir em saneamento básico, limpeza urbana e distribuição de coleiras repelentes, os casos no Pará só tendem a aumentar.

A redação do blog entrou em contato com a assessoria de comunicação da Semsa a fim de obter respostas sobre a veracidade do fato a nós denunciado e também sobre as medidas que estão sendo adotadas, mas até o fechamento desta matéria não obtivemos resposta. O espaço fica aberto caso queiram se pronunciar.

Saiba um pouco mais sobre a Leishmaniose.
Sintomas no cães: podem incluir emagrecimento, perda de pelos, fraqueza, feridas no nariz, na ponta das orelhas e ao redor dos olhos, gânglios inchados, crescimento exagerado das unhas, anemia, dentre outros. Nos órgãos internos, pode  ocorrer o crescimento do fígado e demais alterações.

Sintomas em humanos são: febre intermitente com semanas de duração, fraqueza, perda de apetite, emagrecimento, anemia, palidez, aumento do baço e do fígado, comprometimento da medula óssea, problemas respiratórios, diarreia, sangramentos na boca e nos intestinos.

Qual é o transmissor: A Leishmaniose é causada por um protozoário da espécie Leishmania chagasi, que é transmitido ao homem pela picada de fêmeas do Lutzomyia longipalpis, conhecido como mosquito-palha. Vale ressaltar que os cães são vítimas da doença, assim como os seres humanos.

3 comentários:

  1. Em Altamira nem índices temos. Aqui o poder publico não atua em absolutamente nada!!!! Totalmente inerte.

    ResponderExcluir
  2. Em Altamira nem índices temos. Aqui o poder publico não atua em absolutamente nada!!!! Totalmente inerte.

    ResponderExcluir
  3. Em Altamira nem índices temos. Aqui o poder publico não atua em absolutamente nada!!!! Totalmente inerte.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.